Sergia A.
Blog Title

Era para se chegar à primavera

 

Abro um livro nesta manhã do décimo quinto dia e encontro num verso de Wislawa
Szymborska, traduzido por Regina Przybycien, a validação de um sentimento que cresce
dentro de mim e que preciso deixar transbordar. Tomo-o de empréstimo para o título.

Escrevo por necessidade. Escrever é minha forma de organizar o caos, interno e externo.
Sim, também o externo porque é através da mente que a realidade encontra significado.
Wislawa, que só conheci após a primeira tradução no Brasil em 2011, tem o poder de
despertar em mim a vontade de escrever. Talvez, porque as profundas reflexões sugeridas
por suas palavras me desestabilizem, toquem sorrateiramente em meu frágil equilíbrio e me
obriguem a olhar para o escuro. Aquele lugar que meus olhos teimam em se desviar. E para
retornar à luz é preciso escrever.

O poema Ocaso do Século (1987) traz uma sequência de ideias, em tom de lamento por trás
da ironia, sobre a expectativa do que seria o século XX para a humanidade e como de fato
se revelou. Um balanço acentuado pelo desencanto, fazendo uso do efeito chiaroscuro – do
que faz rir e do que entristece – que é marca dos seus poemas. Para mim, é impossível ler e
não enxergar o início da terceira década do século XXI como o aprofundamento do
desencanto de que trata o eu lírico às vésperas da virada.

Estou saindo de duas semanas de isolamento, ainda com olfato e paladar alterados.
Estranho levantar-me, fazer um café e não ser despertada pelo cheiro. Mais estranho, lidar
com o amargo residual que as papilas guardam como sabor único. Como se os sentidos
tivessem sido apagados do meu cérebro racional para me fazer sentir no corpo o estar no
mundo neste instante.

Não escapei, apesar das vacinas e de todos os cuidados que me fizeram chegar até aqui sem
ser infectada num país que ostenta um dos piores índices de casos e mortes por covid. Não
precisei de hospital, tampouco me pareceu leve como dizem os risos triunfantes nas redes
sociais depois de cinco dias de um teste positivo. Sabia, desde o início, que pertencia ao
grupo dos vulneráveis. Assim como soube desde os primeiros embates sobre o controle da
pandemia que ela se tornaria isso que estamos vendo: mais que uma infecção causada por
um vírus, uma exposição assustadora de todos os males da sociedade do século XXI. A

sociedade que valorizou absurdamente o individualismo, o cada um por si, o sistema que
não pode parar, em detrimento do senso de coletividade ou do respeito pelo outro.

Como poderia ser diferente?

Depois de um tempo de sonho com o avanço do processo civilizatório, reaprendemos a
aplaudir os que esbanjam convivendo lado a lado com os que reviram o lixo pra saciar a
fome. Na era digital, continuamos aceitando que uma minoria seja dona da riqueza
acumulada pela exploração da maioria. A miséria continua natural. A mesma miséria que
abalou o alicerce da sociedade industrial e fez nascer a ideia de bem-estar social. Somos
cúmplices de um sistema que destrói o planeta, apesar de conhecer cientificamente seus
limites em nos oferecer o básico: água e ar. Seria diferente com relação a uma doença
perigosa apenas pra porção descartável dessa engrenagem?

Ainda que não tenha me faltado afeto e atenção, foi aterrorizante ver meu corpo entre os
descartáveis. Observar o descaso de um lugar de privilégio, analisar dados, criticar, achar
que estou fazendo a minha parte é uma coisa. Outra é ser um número entre os invisíveis, os
desprezados, os que não fazem falta.

A finitude é inevitável. Sou consciente e este não é o ponto. O assombroso é saber que
nosso tempo foi um tempo em que a humanidade não apenas deixou de cumprir as
promessas da lógica evolutiva, mas escolheu regredir. Saber que virão outras crises
econômicas, sanitárias e ambientais cujas soluções passam por uma mudança radical no
modo de vida, sendo levada a crer que essa mudança não virá em socorro de nossa
descendência. Saber que já não se vislumbram os sonhos coletivos de futuro, pois colonizar
outro planeta é a aposta fantasiosa da minoria que enriqueceu com a destruição da Terra e
considera isso um merecimento.

Se as utopias saíram de moda, como continuar vivendo?

O poema fecha a última estrofe afirmando não há perguntas mais urgentes/do que as perguntas
ingênuas. A única esperança é que outras linhas se preencham com cândidos pontos de
interrogação.

Rita e Maria: acaso e ideias ao vento

 

Já disse por aqui uma vez que o acaso está sempre a me oferecer algo bom. No mínimo, boas histórias. Desta vez não foi diferente.

No último dia sete de junho, enquanto eu me preparava para assistir a uma palestra da escritora Maria Valéria Rezende, recebi uma mensagem da organização do evento. Pediam-me para substituir a professora responsável pela mediação. Passado o susto, perguntei a mim mesma: devo agradecer ou ter um ataque cardíaco?

Parece que minha pulsão é pela vida. Catei os livros. Juntei na cabeça tudo que a memória guardava sobre a autora e sua obra e agradeci.

Maria e Rita se dedicam, cada uma a sua maneira, à educação libertadora.

Dias antes, quando observei na programação que a presença de Maria coincidia, data e horário, com ninguém menos que Rita von Hunty, não tive dúvidas. Apesar da curiosidade pelo fenômeno Rita, escolhi ver e ouvir Maria. Inscrição feita, coube ao destino ampliar a minha visão e escuta.

Não me tome, o leitor, por uma pessoa afeita à crença de que cavalo selado passa uma vez e que é preciso se aventurar saltando em cima.  Sou mesmo um bichinho lento, sem grande propensão a saltos, que se acomoda em livros e escritórios. Meus encontros se dão, antes, nas páginas. Por outro lado, o destino é o destino. Não dá pra dizer não a fortes batidas na porta. Arrumei coragem e fui.

Mas não é desse acaso que quero falar. Vamos direto ao ponto. Quero me ater à energia paulofreiriana que contagiou a noite por puro acaso, até onde me consta.

No auditório principal, com lugares disputados por jovens, em sua maioria, a festejada drag queen apresentava pontos importantes sobre cultura e marxismo. Rita é professora e atriz. Bom conteúdo, aliado a performances bem montadas e atrativas para olhos de hoje, levou o canal Tempero Drag no YouTube a ostentar mais de um milhão de inscritos. Guilherme Terreri Lima Pereira, a pessoa por trás de Rita, afirma que criou a personagem para discutir a questão de gênero. No seu entender, gênero é uma forma de opressão social. Uma construção, nos termos de Simone de Beauvoir. Por isso ele se monta de Dona Rita. No seu discurso, obviamente, não podiam faltar as agressões a que são submetidos os corpos subalternizados e a pedagogia da autonomia.

No auditório menor, com cadeiras ocupadas por fiéis conhecedores da obra, Maria Valéria contagiava a todos com a firmeza da voz e a simplicidade das histórias vividas e recontadas por sua memória. Desde sua vivência entre grandes poetas na infância, sua saída de Santos na década de 1960, suas leituras de O Capital em francês e de Os Sermões de Pe. Antônio Vieira em Latim, sua descoberta de que não queria viver em um aquário, seu encontro com Paulo Freire, seu trabalho de alfabetização pela pedagogia freiriana no sertão nordestino em plena ditadura militar, a sequência em outros países da América Latina, até as premiações literárias no século XXI (Jabuti, Prêmio São Paulo de Literatura, Casa de las Américas).

Vários contrapontos poderiam ser levantados. Maturidade versus Juventude (Maria, 80 anos – Rita, 31 anos); Teoria versus Práxis (Maria fez, tem a ação em educação popular em seu currículo – Rita estuda a teoria, e tem prática em ensino, mas não um contato semelhante no contexto de miséria); Tentativa de Adequação versus Completa Adaptação ao mundo midiático em que vivemos (Maria escreve contos e romances, divulga em redes, tem uma loja virtual e faz lives eventualmente – Rita é profissional do mundo virtual, e o presencial é consequência). No entanto o que me motiva a escrever este texto é o ponto de conexão entre as duas e a coincidência de estarem no mesmo território, separadas por alguns metros de distância, discutindo o mesmo tema (pelo menos por alguns instantes), no ano em que podemos dar uma chance à transformação da realidade.

Ao abraçar Maria na despedida, no vão aberto entre os auditórios, uma brisa leve soprava a brasinha que dentro de mim aquece o verbo esperançar.

Nada mais freiriano do que este encontro entre as ideias e a práxis e o diálogo. Por isso não há aqui julgamentos. As duas personagens se dedicam, cada uma a sua maneira, à educação libertadora. O que há é apenas a constatação de que, na sociedade fluida e de vidas midiáticas, valorizamos menos quem traz no corpo físico as marcas da prática cultivada e fortalecida em uma longa experiência de troca e aprendizagem, mesmo teorizando sobre.

Cuidemos aqui do amadurecimento construído nas interações humanas, por um sentimento de justiça. Maria segue ensinando e aprendendo e tendo como ferramenta principal o diálogo. Perguntada sobre o seu despertar tardio para a escrita de ficção, ela respondeu que escrever ficção é uma forma de dar continuidade à educação popular. Uma forma de questionar a realidade ou provocar no leitor indagações. Ao ficcionar a realidade dos invisíveis estaria dizendo: olhe, isto existe. O que você pensa a respeito?

Crédito de imagens: fotos de divulgação em redes sociais.

***

Sergia A. (sergiaalves@hotmail.com)  vive em Teresina-PI, como aprendiz de letras e espantos. Mestra em Letras/Literatura, Memória e Cultura, é autora do livro Quatro Contos, Editora Quimera (2018) e participou de coletâneas diversas: A mulher na literatura Latino-americana, Editora EDUFPI/Avant Garde (2018); Conexões Atlânticas, Infinita (2018); 2ª Coletânea Poética Mulherio das Letras ABR Editora (2018); Antologia do Desejo: Literatura que desejamos, Patuá (2018).

A normalização da morte como medida

 

 

 

Por ocasião do fechamento da editora Cosac-Naify, eu aproveitei a liquidação e adquiri títulos cujos preços de suas magníficas edições me impediam até então.  Entre eles, alguns infantis como a tradução de O pato, a morte e a tulipa de Wolf  Erlbruch. Ao ler fiquei tão assustada que escondi na parte alta da estante, bem distante dos livros que minhas netas costumavam acessar à vontade.

O livro é belo, em desenhos e textos. A ilustração é do próprio autor e os diálogos entre o pato e a morte são construídos em linguagem simples, direta e muito rica. No entanto, considerei desafiador demais para minha capacidade de responder às perguntas que brotariam. Não conseguia ver a morte com a naturalidade que o livro apresenta. Tampouco teria coragem de conversar com as crianças sobre o tema sem uma provocação que me obrigasse. Melhor deixar esse assunto para os pais. Essa é uma das coisas boas de ser avó.

Então, qual a razão da escolha desse livro? O assunto me atrai e me assombra. É frequente no que escrevo e por isso também frequente nas minhas pesquisas. Um dia desses, lendo uma psiquiatra especialista no ramo, encontrei uma explicação para o meu pavor e negação de sua naturalidade. Dizia ela que para o inconsciente é impossível imaginar um fim real. O inconsciente tende a nos impulsionar para a vida. O fim é visto como algo externo e é por isso considerado uma intervenção maligna, um acontecimento medonho. Fiquei satisfeita e aliviada por alguns
instantes. A minha negação da morte, ou visão da morte como algo trágico, nasce do meu desejo de viver.

 

Em 2020, o livro desceu para as prateleiras mais baixas. Estamos há dois anos convivendo diariamente com o tema. Não que antes não morressem pessoas todos os dias. É que a pandemia jogou a morte na roda sem subterfúgios.  Não deu para retirar as crianças da sala.

Para mim, a compreensão filosófica da morte como um fato puro tal qual o nascimento – o ciclo da vida na natureza – que está como pano de fundo do O pato é racionalmente palatável. É um norte, é uma justificativa para o aprimoramento do nosso estar no mundo. É o que dá sentido e brilho à vida. No entanto, emocionalmente não é tão simples assim quando temos aqueles olhinhos brilhantes e cheios de vida diante de nós perguntando: você vai morrer? Nunca mais vou falar com você? Eu vou morrer?

Mas o ponto em que eu queria chegar, quando imaginei este texto, está ainda aqui latejando na minha cabeça, tentando encontrar uma forma no papel enquanto as ideias pipocam no meu cérebro. Uma coisa é entender a morte como parte de um ciclo natural da existência de todas as coisas e não se apavorar diante dela. Outra é ter a normalização da morte como medida para ações de descuido com a vida humana.

Chegamos à marca oficial de 640 mil mortes por uma doença evitável. Evitável porque conhecemos o mecanismo de transmissão e o que precisa ser feito para interromper. O que fazer em parte depende de políticas públicas e em grande parte depende da atitude individual. Temos um governo que declaradamente alimenta o encanto pela morte: na defesa da tortura e da eliminação dos que pensam diferente, no armamento da população civil, na defesa da truculência policial, na liberação de agrotóxicos, na agressão ao meio-ambiente e povos originários, na exposição das pessoas a uma epidemia com a justificativa de que só morrem os que têm que morrer. Esse último é um discurso perversamente interiorizado pela maioria da população, mesmo os que discordam das demais políticas nefastas. Ficamos no mato sem cachorro.

Neste pico da terceira onda, todas as noites vamos pra cama com a notícia da morte de mais de mil pessoas por uma doença evitável. Evitável, é preciso repetir. Paradoxalmente, o que mais se ouve é o discurso de que é preciso viver, de que é tempo demais pra ficar parado com medo da morte. Como se esse pensar individualista absorvesse tortuosamente o entendimento filosófico sobre a realidade finita do homem e fechasse os olhos para as portas abertas a algo maior: a morte do outro, o fortalecimento de um agente mortífero, a extinção. Portanto, um pensamento suicida em que a arma pode ser um vírus ou outras causas que ameaçam a vida humana e cujo antídoto depende do pensar coletivamente e do repensar o viver, que será exigido mais cedo ou mais tarde.

Ficou pesado, né? Hora do ponto final. Uso a descrição de fim do mundo de Ailton Krenak – uma breve interrupção de um estado de prazer extasiante que a gente não quer perder – para perguntar: não valeria a pena adiar o fim?

***

Sergia A. (sergiaalves@hotmail.com)  vive em Teresina-PI, como aprendiz de letras e espantos. Mestra em Letras/Literatura, Memória e Cultura, é autora do livro Quatro Contos, Editora Quimera (Teresina, 2018) e participou de coletâneas diversas: A mulher na literatura Latino-americana, Editora EDUFPI/Avant Garde (Teresina, 2018); Conexões Atlânticas, Infinita (Lisboa, 2018); 2ª Coletânea Poética Mulherio das Letras ABR Editora (Guarujá, 2018); Antologia do Desejo: Literatura que desejamos, Patuá (São Paulo, 2018).

Espiritualidade e feminismo são incompatíveis?

 

Olho o calendário e conto os últimos dias de 2021. Não farei um balanço. Difícil aceitar o ano que poderia ter sido de esperança como uma realidade desanimadora. A vacina veio, é fato. Acompanhada de um obscurantismo que não se alinha ao nível de conhecimento alcançado pela humanidade. Por aqui temos um plus: a destruição se instalou em todas as áreas. Mas sobrevivemos e estamos respirando o advento. Isso faz acender aquela pequena chama que se esconde no fundo da alma.

Não sou religiosa. Entendo o sagrado (crença na existência de deus, de deuses ou deusas) como uma necessidade humana, apenas. Gosto de observar o reflexo disso nas ações dos que se dizem ligados ao divino. Talvez, um modo muito particular de viver a fé.

A ideia de um instante de harmonia pisca no nosso cérebro muito mais do que as luzes decorativas instaladas em lares, parques e avenidas. Daí aceitarmos confraternizar até com quem infernizou a nossa vida durante todo o ano no trabalho ou em família. Bom momento para refletir, não?

Nesse observar descobri uma doutora em teologia, feminista e pastora da Igreja Batista, que realiza um bonito trabalho com minorias. Seguindo o ensinamento de Cristo, ela leva conforto espiritual àqueles que sofrem preconceito, discriminação e são excluídos das igrejas e da sociedade. Sigo seu perfil em redes sociais. Por esses dias, ela celebrou o amor e a união entre duas mulheres cristãs. Ação que me encheu de fé.

O choque viria dois dias depois. Nos portais, a notícia de que a pastora e sua família prestaram queixa à polícia por sofrerem perseguições e ameaças de morte.  Vítimas do ódio que nasce do fundamentalismo religioso.

Nos mesmos portais, o adeus à teórica do feminismo bell hooks expande a tristeza. Minha mente se dispôs a fazer uma conexão. Em um ensaio publicado em 2015, bell faz uma análise da espiritualidade feminista. Uma breve passagem histórica sobre os conflitos entre feminismo e religião. Foi preciso desafiar a base do sistema de crenças judaico-cristãs de ideologia patriarcal e opressora. Em seguida, veio a conquista da espiritualidade libertadora através da transformação das crenças religiosas incluindo a busca por tradições orientais. Logo depois, entram em cena as teologias da libertação que acreditam ser o fim do patriarcado (e outros tipos de opressão) algo ordenado por deus. E por fim, o ameaçador retorno do fundamentalismo religioso associado a ideologias políticas de direita.

A pastora afirma que desde 2016 se intensificaram as críticas ao seu trabalho de acolhimento à diversidade. Um dado que coincide com o aumento do fundamentalismo religioso no Brasil, alimentado em igrejas neopentecostais (católicas e evangélicas).  Assim como coincide com a escalada de ameaças aos direitos civis conquistados por mulheres e minorias e com a demonização do movimento feminista. Como diria bell, uma ameaça à espiritualidade progressista.

Por que falar disso às vésperas do Natal?

Porque somos o produto de uma cultura religiosa cristã. Mesmo quem não tem prática, sente-se comovido neste período.  A ideia de um instante de harmonia pisca no nosso cérebro muito mais do que as luzes decorativas instaladas em lares, parques e avenidas. Daí aceitarmos confraternizar até com quem infernizou a nossa vida durante todo o ano no trabalho ou em família. Bom momento para refletir, não?

Voltando à pergunta que move este texto. O conflito é parte de todo processo evolutivo. É verdade que a maioria das religiões tem por base uma mentalidade dualista que tolera o sexismo e a dominação masculina (inclusive sobre o corpo das mulheres). Vale lembrar que estamos sempre em movimento. É possível contextualizar os textos sagrados, fazer leitura crítica e aberta a questionamentos. Ou, buscar práticas espirituais que abraçam o feminismo e fazem perceber que não pode haver incompatibilidade entre aquilo que promete um bem-estar espiritual e um movimento que luta por justiça, igualdade e valorização do ser humano, seja qual for o formato do seu corpo.

Que o espírito do Natal, se existir, ilumine as mentes e abra caminho para a tão propagada renovação. Crucial para preservação da humanidade, pois um vírus nos avisa que o modelo de mundo como conhecíamos está com os dias contados.

***

Imagem: TINTORETTO – Magdalena penitente (Musei Capitolini, Roma, 1598-1602).

Sergia A. (sergiaalves@hotmail.com)  vive em Teresina-PI, como aprendiz de letras e espantos. Mestra em Letras/Literatura, Memória e Cultura, é autora do livro Quatro Contos, Editora Quimera (Teresina, 2018) e participou de coletâneas diversas: A mulher na literatura Latino-americana, Editora EDUFPI/Avant Garde (Teresina, 2018); Conexões Atlânticas, Infinita (Lisboa, 2018); 2ª Coletânea Poética Mulherio das Letras ABR Editora (Guarujá, 2018); Antologia do Desejo: Literatura que desejamos, Patuá (São Paulo, 2018)

O paraíso é para poucos?

 

Depois de um ano e sete meses de confinamento, devidamente vacinada, reencontrei uma amiga para um café. Eram tantos os assuntos para nossas emoções incontidas que duas horas não foi mais que um instante.  Pandora papers, nuvem de poeira, marco temporal, mortes, queda das redes sociais, prêmio Nobel e toda a pauta do momento pululando entre nossos projetos a serem retomados, para nos questionar: que lugar foi esse onde ancoramos o barco do nosso envelhecer?

É fato que a coisa já desandava antes da pandemia se instalar. No entanto, o vírus nos revelou o horror. Não o desabamento do mundo como imaginávamos a princípio. Mas o horror que se escondia e que saltou aos olhos apesar das máscaras. E por que estamos tão chocadas se, desde quando lutávamos pelas Diretas, já éramos conscientes dos mecanismos que norteiam esta república?

Dizem os sábios que a interatividade gera novas qualidades no comportamento coletivo, assim como no campo da individualidade o reinventar-se e seguir em frente é uma necessidade.

Talvez seja esse o ponto: acreditamos na evolução. Acreditamos que os valores que nos levaram a Eco 92, a estabelecer cotas nas universidades, a eleger uma presidenta, a legalizar uniões homoafetivas estavam internalizados nas gerações que criamos e educamos. Engano. Talvez as nossas crias até tenham compreendido tudo e se tornado pessoas melhores que nós, porém havia uma massa ressentida que no seu covil também criava herdeiros a sua imagem e semelhança. Bastou uma crise econômica para que a vergonha de ser politicamente incorreto se dissipasse e os egos inflados fizessem ninhos na liberdade de expressão (conquistada a duras penas) para expor a sordidez. Ao ponto de se considerar sinal de capacidade para gerir a economia de um país o cidadão que fez fortuna fugindo dos impostos, da regulação financeira e das obrigações de transparência ditadas pelo avanço civilizatório. Ou, médicos se julgarem no direito de fazer experimentos em humanos sem o rigor da ética e da metodologia científica.

A massa ressentida precisava apenas de uma autorização simbólica: ganhar as eleições para o poder central. E depois da conquista não poderia perder para um ser minúsculo que nem vida, propriamente, tem. Um ser que, apesar de invisível, exigia o olhar para o todo. Negar foi solução. E tudo que acompanhamos foi consequência.

A essa altura, devo dizer que minha amiga conjuga o verbo esperançar muito facilmente. Para quebrar a tristeza, ela puxou do celular notícias sobre o Nobel 2021: na física (mais ligada à sua área de atuação) e na literatura (a minha). Syukuro Manabe, Klaus Hasselmann e Giorgio Parisi, pelas contribuições inovadoras para compreensão de sistemas complexos, o que envolve pesquisas sobre meio ambiente e mudanças climáticas. Na Literatura, Abdulrazak Gurnah e suas histórias de migração, nas quais a impermanência e a agitação constante são dadas como certas. Estamos em movimento.

Saí de lá um pouco mais leve. Dizem esses sábios que a interatividade gera novas qualidades no comportamento coletivo, assim como no campo da individualidade o reinventar-se e seguir em frente é uma necessidade. A academia manda um recado. Ou, em melhor rearranjo de palavras: não estamos sós. Acende-se uma chama.

***

Sergia A. (sergiaalves@hotmail.com)  vive em Teresina-PI, como aprendiz de letras e espantos. Mestra em Letras/Literatura, Memória e Cultura, é autora do livro Quatro Contos (Quimera, 2018) e participou de coletâneas diversas: A mulher na literatura Latino-americana (EDUFPI/Avant Garde, 2018); Conexões Atlânticas (Infinita – Lisboa, 2018); 2ª Coletânea Poética Mulherio das Letras (ABR Editora, 2018); Antologia do Desejo: Literatura que desejamos (Patuá, 2018).