“Eu tô aqui atrás”, disse a voz que ressoava forte e marcante no auditório, embora a plateia não conseguisse enxergar sua dona. Monique Evelle entrava no espaço roubando todos os olhares numa noite com tempo seco e abafado de verão. Cerca de 500 adolescentes, entre 15 e 20 anos, ansiavam pela palestra num dos maiores fóruns de empreendedorismo jovem da América Latina, que acontece há dez anos em Luís Correia, no Piauí. 

O cenário “praia nordestina” não era novo para a baiana Monique, 24. Ela contava dezesseis quando fundou, no bairro de Amaralina, Salvador, onde nasceu, o Desabafo Social – um movimento que usa a comunicação e novas tecnologias para tirar projetos da periferia do papel. A organização está hoje em 22 estados do Brasil. 

Em 2017, foi chamada para integrar a equipe do Profissão Repórter – o programa global que é uma espécie de trainee para jovens jornalistas. “Eu tenho história antes da minha atuação como repórter”, diz Monique em entrevista à Revestrés. “A TV foi um complemento e palco para aquilo que eu já fazia nas ruas e nas redes”. 

 

De fato, desde 2013 ela vinha sendo destacada em listas como “As 25 blogueiras negras mais influentes da internet”. Em 2015, o site Think Olga a elegeu como uma das mulheres mais inspiradoras daquele ano e, no seguinte, a revista Cláudia e o jornal Estadão a definiram como “a nova voz do feminismo negro” – para não ficarmos só em Brasil, Monique Evelle aparece na lista da Forbes dos “30 under 30” – a famosa lista de jovens empreendedores e criadores que, antes dos 30 anos, estão transformando o mundo. 

Talvez a melhor definição de Monique seja a afronta – poucos palestrantes encaram a plateia de forma tão franca quanto ela encarou aquela no litoral piauiense em julho. “O que a gente chama hoje de empreendedorismo a periferia sempre chamou de sobrevivência”, disse no auditório tomado por jovens – a maioria brancos – cursando ou prestes a cursar graduações de administração e negócios que lotam faculdades pelo país – “Parem de criar produtos que vocês mesmos não consumiriam”, provocou. 

Monique já participou de conferências como TEDx e de eventos como o Conectados al Sur e Global Symposium Artificial Intelligence & Inclusion, da Universidade de Harvard. Os principais temas de suas palestras são as tendências de negócios (“Há espaço para todo mundo no futuro?”), diversidade nas empresas, como encontrar propósito empreendendo (“O mito de ser feliz fazendo o que ama”) e sua própria trajetória de vida (“Não compare o seu início com o meio de ninguém”). Em dezembro de 2018 virou estrela da Netflix: Monique é a personagem do primeiro episódio da série documental “Os originais”, produzida para as redes sociais.  

“O meu trabalho é ouvir e dar voz às pessoas que não puderam se expressar como eu pude”, diz no vídeo do site de streaming. A seriedade de Monique, que lhe aparenta mais história do que sua idade permite ter, contrasta com o bom humor que só costuma mostrar quando está no palco – do riso à reflexão, seu talento parece nos fazer pensar. Problematizando, questionando e falando mesmo quando está em silêncio.  

Você atingiu um patamar, antes dos 30 anos, no qual muitos jovens sonhariam em chegar um dia – isso dá um peso, uma certa responsabilidade? O que estar no ranking da Forbes significa para você? 

Qualquer nota, citação ou reconhecimento público com meu nome e o que venho desenvolvendo é uma responsabilidade. Não romantizo, mas acredito que esses reconhecimentos movimentam outras pessoas que me acompanham ou que me conheceram por conta disso. Significa que o trabalho está apenas começando e sempre será um constante processo de se reinventar. 

Quando a autodescoberta e a ideia de se reinventar começaram a fazer sentido pra você? 

Sempre soube que era mulher negra, só não sabia o que fazer com essa informação. A partir dos 15 anos comecei a ter clareza das opressões de gênero e raça, ouvindo e lendo mulheres negras, como Vilma Reis e Sueli Carneiro.  A partir de então, comecei a criar minhas próprias narrativas e ações numa perspectiva racial. Foi isso que me trouxe até aqui e está me mantendo viva. É entender o não dito, o velado, para poder agir. 

Você acha que a experiência como repórter foi fundamental para o exercício da empatia? Foi a porta de entrada para a atuação em projetos sociais, ou foi o contrário? 

Totalmente o contrário. Eu tenho história antes da minha atuação como repórter do Profissão Repórter. A TV foi um complemento e palco para aquilo que eu já fazia nas ruas e nas redes com a Desabafo Social, desde 2011, aos 16 anos. E tive que sair do Profissão Repórter para voltar a apostar nos meus projetos pessoais que envolvem também o social. E sobre empatia, se a palavra fosse verbo teríamos mais ação, mas como é substantivo as pessoas não costumam exercitar.  

O que o Desabafo Social significa para você? 

O Desabafo Social, para mim, foi o rompimento do silenciamento. Foi o momento em que eu entendi que eu nunca fui tímida, fui silenciada – inclusive falo isso sempre. Foi o momento em que eu pude falar, em que eu consegui falar, quando eu consegui pegar no microfone e atingir mais pessoas. E foi o momento em que eu consegui manter minha autoestima, porque sempre oscilou. Enquanto a escola e sociedade diziam que eu era feia, que eu não podia, que eu não deveria, meus pais sempre falaram o contrário – que eu era linda, que eu poderia e que eu conseguiria fazer o que eu quisesse. Com o Dasabafo eu comecei a ter mais segurança em mim e passar para outras pessoas.  

Você acha que a produção de conteúdo hoje prejudica ou substitui o jornalismo? E com tanta gente se tornando produtora de conteúdo, você não acha que faltarão consumidores? 

Não vejo nada como substituição, sempre como complemento ou transformação de acordo com o contexto. O que estamos vendo é a possibilidade de cada pessoa produzir seu próprio conteúdo. Mas isso não a faz jornalista, com responsabilidade de apuração e checagem de informação; a faz uma formadora de opinião, uma comunicadora. O que precisamos é de pessoas dispostas a pagar pelo conteúdo que consomem, para garantir a sobrevivência e a existência dos veículos de comunicação. Enquanto existir capitalismo, haverá consumidores de qualquer oferta.  

“Parem de inventar produtos que vocês não consumiriam”, você disse também na palestra. É difícil aliar a intenção de lucro à noção de um consumo consciente? 

Vivemos em sociedade que tem amnésia histórica, que nega a existência de opressões como o racismo e o machismo, acredita em meritocracia e não reconhece os verdadeiros heróis e heroínas. Logo, não seria diferente no mundo dos negócios. Não há como aliar lucro e consciência, pois a consciência ainda não chegou. Mesmo com tanta informação disponível. 

“Aprendi que reconhecer as subjetividades faz parte de um processo importante de transformação”, diz Djamila Ribeiro no livro “Quem tem medo do feminismo negro?” – como as especificidades chegam, como realidade, pra você na vida, na prática e nos modos de fazer negócios? 

Essa frase de Djamila eu falo de outro jeito, porque eu sempre quero existir. Eu sei que eu tenho empresas, projetos, mas Monique Evelle precisa existir para que essas empresas e projetos existam também – então eu cuido muito da minha subjetividade para poder fazer parte da coletividade, e não o contrário. Senão eu sou engolida pela coletividade. E esse mesmo coletivo que me exalta, que fala “aí Monique, você é incrível”, é também o coletivo que faz a gente adoecer pelas demandas, cobranças e exigências. Eu tenho minha tática de recolhimento, tanto espiritual quanto para cuidar da saúde mental. Tenho minhas pausas, que não são desistências. Mas eu nunca desisti daquilo que eu abri mão – quando eu abro mão de alguma coisa, eu  escolhendo outra. E isso faz com que eu consiga equilibrar trabalho, vida pessoal, militância e os negócios. 

Que tipo de avaliação, como consultora e empreendedora, você faz de iniciativas de documentários “originais” como o da Natflix em que é personagem? Já deu para avaliar a repercussão? 

Recebo muitas mensagens, todos os dias, de pessoas dizendo que não vão desistir porque viram minha história, pessoas falando que querem ser as melhores no que fazem em suas cidades, que foi inspirador, etc. Minidocs é mais viral, as pessoas na internet estão consumindo conteúdo de até 5 minutos, então esse conteúdo faz com que as pessoas possam prestar atenção – e esse prestar atenção pode tirar a pessoa do seu lugar de conforto, isso significa que ela vai se movimentar. Esses drops inspiracionais da Netflix fazem com que as pessoas continuem se movimentando.   

 

Publicada na Revestrés#39-janeiro-fevereiro de 2019.